Governador do Maranhão diz que Bolsonaro está 'exercendo indevida pressão sobre o Supremo'

Flávio Dino (PCdoB) fala ainda que 'se o Inquérito sobre 'fake news' fosse suspenso, o Supremo perderia a sua independência'.

Governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Reprodução/TV Mirante O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), comentou nas redes sociais a operação da Polícia Federal contra um esquema de "fake news" realizada nessa quarta-feira (27).

Para ele, "se o Inquérito sobre fake news fosse suspenso, o Supremo perderia a sua independência". Flávio Dino diz que as diligências investigatórias estão autorizadas pelo regimento interno do Supremo.

O Governador do Maranhão fala em "crimes diversos". "Se o Inquérito sobre fake news fosse suspenso, o Supremo perderia a sua independência, diante de crimes diversos cometidos contra os seus integrantes, e hoje reiterados de modo vil.

O Regimento Interno do Supremo e demais normas processuais autorizam diligências investigatórias", postou o governador do Maranhão. Em outra postagem, Dino comentou ainda as declarações do presidente Jair Bolsonaro, que chamou de "cidadãos de bem" os aliados do governo que foram alvos nesta quarta de mandados de busca e apreensão da operação, autorizada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. "Ver o presidente da República exercendo indevida pressão sobre o Supremo Tribunal Federal é um sinal que algo de muito grave está acontecendo com nossa democracia", escreveu o governador em uma rede social", publicou Dino em suas redes sociais. Foram cumpridos 29 mandados de busca e apreensão em endereços de aliados de Bolsonaro, como o ex-deputado federal e presidente do PTB, Roberto Jefferson, e os empresários Luciano Hang, dono da Havan, e além de blogueiros e parlamentares.

Categoria:Maranhão