EUA: pré-candidato a presidente quer cobrar impostos de igrejas que não acatarem união LGBT

Um político de esquerda dos Estados Unidos que se apresentou como pré-candidato à presidência pelo Partido Democrata quer acabar com a isenção de impostos de igrejas e entidades religiosas que não concordem com a união de pessoas do mesmo sexo, popularmente chamada de “casamento gay”.

Beto O’Rourke, ex-deputado federal pelo Texas, declarou em um debate realizado pela emissora progressista CNN que igrejas, instituições de caridade e outras instituições religiosas que se oponham ao casamento entre pessoas do mesmo sexo devem perder a isenção de impostos.

No debate, ele declarou que se for vencedor das eleições presidenciais em 2020 na disputa contra Donald Trump, essa é uma política que ele procurará aplicar rapidamente por ação executiva, de acordo com o capítulo sobre LGBT de seu plano de governo.

“Apesar do progresso que fizemos, membros da comunidade LGBTQ+ têm vidas negadas, livres de medo ou discriminação. A administração do presidente Trump assumiu a missão de reverter as proteções para a comunidade LGBTQ+, principalmente os americanos transgêneros, desafiando sua garantia constitucional de proteção igual. Beto tomará uma ação executiva imediata para encerrar o ataque aos direitos LGBTQ + e promulgar políticas que estejam em conformidade com nossas leis e valores”, diz o texto do plano de governo do pré-candidato.

No programa da CNN, o Beto O’Rourke tentou justificar sua medida de perseguição religiosa: “Não pode haver recompensa, benefício ou benefício fiscal para qualquer pessoa ou instituição, organização nos Estados Unidos que negue todos os direitos humanos e todos os direitos civis de cada um de nós. E como presidente, vamos para fazer disso uma prioridade e vamos parar aqueles que violam os direitos humanos de nossos colegas americanos”.

De acordo com informações do portal The Christian Post, em seu plano de governo, o político esquerdista diz que reverterá a “tentativa do presidente Donald Trump” de “expandir as isenções religiosas para permitir a discriminação ou prejudicar outras pessoas”.


Repercussão

Lideranças evangélicas dos Estados Unidos reagiram imediatamente à proposta extremista do pré-candidato democrata. O professor Denny Burk, docente de estudos bíblicos na Boyce College e da Igreja Batista Kenwood em Louisville, Kentucky, disse que a proposta de O’Rourke era um “ataque draconiano à Primeira Emenda” e alertou que poderia “falir muitas igrejas”.

“Beto O’Rourke pede que as igrejas cristãs percam seu status de isenção de impostos, a menos que apoiem o casamento gay. Este ataque draconiano à Primeira Emenda é agora a visão principal do Partido Democrata”, escreveu Burk no Twitter.

“Isso poderia levar muitas igrejas e instituições religiosas à falência, porque dissuadiria as contribuições. Muitas igrejas perderiam suas propriedades por serem incapazes de pagar impostos sobre a propriedade – especialmente nas grandes cidades. Isso é verdadeiramente draconiano e inconstitucional”, acrescentou.

Burk também disse que o risco de uma proposta de tributação de igrejas pode não se limitar aos democratas: “Isso significa que temos todo um partido político diretamente contra igrejas cristãs que permanecem fiéis a Cristo… por enquanto. Não excluo a possibilidade de que a outra parte possa eventualmente seguir o mesmo caminho”, continuou ele, citando a possibilidade de que surja, no futuro, uma liderança no Partido Republicano com a mesma intenção.

“Por enquanto, porém, estamos lidando com a integração de um partido político dessa oposição às igrejas que permanecem fiéis aos ensinamentos de Cristo sobre casamento e sexualidade […] Minha esperança é que cabeças mais frias prevaleçam e que o eleitorado americano se afaste dessa tentativa de punir as igrejas por suas crenças. Certamente espero e oro para que os cristãos pressionem seus privilégios democráticos para se oporem a esse tipo de injustiça”, finalizou.

Outro que manifestou preocupação com o nível de ataque às igrejas foi o pastor Dave Welch, porta-voz do Conselho de Pastores dos EUA: “Beto demonstrou novamente sua disposição de usar o poder do governo para punir aqueles que discordam dele, uma prática padrão do Partido Democrata de hoje, além de demonstrar desprezo e ignorância pela base histórica da isenção de impostos para igrejas e instituições educacionais”.

“A tendência ameaçadora de armar governos locais, estaduais e federais para suprimir crenças, discursos e práticas religiosas que não estão de acordo com a ideologia marxista de Beto e seus aliados reflete mais um Estado totalitário do que uma república constitucional livre”, acrescentou Dave Welch.

O pastor argumentou ainda que “simplesmente não há evidências de que essa classe de pessoas neste país identificada como ‘LGBTQ’ tenha, por lei, acesso negado ao direito de voto, direito à educação ou acesso ao sistema econômico, já que nossa nação está tragicamente engajada [nessa militância]”.

“A comunidade LGBTQ, segundo seus próprios relatórios, mostra um poder de compra de US$ 1 trilhão de dólares […] Onde está a discriminação?”, questionou Welch.

Em seguida, o pastor disse que essa questão “se tornou um ídolo do socialismo ateu do atual Partido Democrata”, pontuando que a postura de ataque às “igrejas que não comprometerão seus valores bíblicos históricos do casamento como apenas a união de um homem e uma mulher” é uma demonstração de tirania, e por isso, todos os “pastores e igrejas em toda a América devem se levantar e se opor agora a este ataque da esquerda”.

Ele destacou que as isenções fiscais para as igrejas são um conceito anterior à fundação dos Estados Unidos em milhares de anos: “A isenção de impostos para igrejas remonta ao antigo Israel, Grécia e Roma. Em nossa época de fundação, a decisão da Suprema Corte em McCulloch v. Maryland em 1803 afirmou o princípio de que ‘o poder de tributar é o poder de destruir’ e nossa nação reconheceu a autonomia reverenciada e separada das igrejas, daí a isenção de impostos”.

Kelly Shackelford, CEO e consultora-chefe do First Liberty Institute, disse que sua organização “tem um longo histórico de defesa de igrejas, ministérios e organizações religiosas contra ameaças legais, como o candidato presidencial democrata Beto O’Rourke acaba de lançar”.

“O’Rourke ameaçou tirar as igrejas de seu status de isenção de impostos por simplesmente seguir milhares de anos de doutrina religiosa. O’Rourke certamente não foi o primeiro a tentar tal golpe – a First Liberty defendeu com sucesso um grupo de igrejas e pastores no Texas em 2009, quando sua posição sobre casamento e apoio do então governador Rick Perry provocou a ira da Receita Federal”, comentou a executiva.

“A ideia de O’Rourke não é apenas legalmente errada, é uma política ruim. De acordo com um estudo recente, a religião contribui e aporta US$ 1,2 trilhão para a economia dos EUA anualmente – mais do que Google, Amazon, Apple e Microsoft juntas. A ameaça de Beto O’Rourke’s é uma afronta direta à garantia constitucional da liberdade religiosa. Se ele, ou qualquer político no futuro tentar violar a Constituição dessa maneira, a First Liberty será novamente a primeira na luta pela defesa da liberdade religiosa”, garantiu, segundo informações do portal WND.

O filho do pastor Franklin Graham, Edward, um veterano do Exército dos EUA e atualmente trabalhando com a instituição de assistência social missionária Samaritan’s Purse, também comentou a declaração do pré-candidato esquerdista durante um evento no último sábado, 12 de outubro.

Edward Graham disse que considerou o comentário de O’Rourke “tolo” e não acredita que alguém o leve “a sério” como candidato”: “Acho que ele está jogando para a extrema esquerda e o jovem movimento progressista que está neste país. Então eu rio quando ouço isso , disse o major da reserva do Exército americano.

Com relação à possibilidade da entidade missionária Samaritan’s Purse perder sua isenção de impostos por sua posição sobre ética sexual, Graham respondeu que “Deus é maior que a isenção de impostos”.

“Nós não existimos porque somos um negócio ou [porque] se trata de dinheiro. Há uma necessidade e Deus nos dá os recursos e confia esses recursos ao Seu trabalho. Se eles fizessem isso, acho que Deus é tão grande que Ele nos daria além do que precisamos para cumprir nossa tarefa”, finalizou.


Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br/candidato-cobrar-impostos-igrejas-contrarias-lgbt-123676.html

Categoria:Mundo Cristão