Escola puniu aluna cristã que se recusou a declarar que “não há deus senão Alá”

As declarações a seguir poderiam ter partido de um imã em um sermão de mesquita: “A fé da maioria dos muçulmanos é mais forte que a média cristã”; “O Islã no coração é uma religião pacífica”; “[A jihad é uma] luta pessoal em devoção ao Islã, especialmente envolvendo disciplina espiritual”; “Para os muçulmanos, Alá é o mesmo Deus que é adorado no cristianismo e no judaísmo”; “Os homens são os administradores dos assuntos das mulheres […e] as mulheres justas são, portanto, obedientes”. Porém, não são declarações de um líder religioso islâmico, e sim, parte de um conjunto de instruções de uma escola pública.



O caso veio à tona recentemente, quando uma estudante da escola no estado de Maryland (EUA) buscou a Suprema Corte para impedir o proselitismo religioso islâmico seja feito com dinheiro dos impostos. O Centro Jurídico Thomas More (TMLC, na sigla em ingês) está assessorando a estudante Caleigh Wood no processo.



“Como cristão e aluno do 11º ano da La Plata High School, em Maryland, Caleigh Wood aprendeu que ‘a fé da maioria dos muçulmanos é mais forte do que a média cristã’. Ela também era obrigada a professar, por escrito, o credo de conversão islâmico: ‘Não há deus senão Alá, e Maomé é o mensageiro de Alá’. Wood acredita que é um pecado professar, por palavra ou por escrito, que existe outro deus, exceto o Deus cristão. Ela permaneceu firme em suas crenças cristãs e foi punida por isso. A escola recusou seu pedido de desistência ou lhe deu uma tarefa alternativa. Ela se recusou a completar sua tarefa anticristã e, consequentemente, recebeu uma nota baixa”, explicou a equipe jurídica na última quarta-feira, 15 de maio.



Os tribunais inferiores deram um passe livre para o distrito escolar para ensinar o Islamismo, e por isso o TMLC entrou com o pedido na Suprema Corte para decidir “se existe alguma base legal para permitir que as escolas públicas discriminem o cristianismo e, ao mesmo tempo, promovam o Islã”, segundo informações do portal WND.



“Sob o pretexto de ensinar história ou estudos sociais, escolas públicas em toda a América estão promovendo a religião do Islã de formas que nunca seriam toleradas se fosse o cristianismo ou qualquer outra religião”, disse Richard Thompson, presidente da TMLC. “Não conheço nenhuma escola que tenha forçado um estudante muçulmano a escrever a oração do Pai Nosso ou João 3:16: ‘Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça. mas tenha a vida eterna ”, disse ele.



“Muitas escolas públicas se tornaram uma cama quente de propaganda islâmica. Ensinar o Islã nas escolas foi muito além de uma lição básica de história. Impulsionadas pelo ativismo islâmico zeloso e encorajadas por decisões judiciais confusas, as escolas estão se curvando para promover o Islã e, ao mesmo tempo, denegrir o cristianismo. Estamos pedindo à Suprema Corte que forneça a orientação jurídica necessária para resolver a discriminação insidiosa contra os cristãos em nossas escolas públicas ”, acrescentou Thompson.


Os casos mencionados geram a dúvida se as escolas podem ou não fazer declarações preferenciais sobre uma religião em detrimento de outra, e se os estudantes podem ser obrigados a afirmar crenças religiosas com as quais discordam. O TMLC questiona ainda como esses conceitos se alinham com um precedente que, em resumo, diz que o “Congresso não fará nenhuma lei a respeito de um estabelecimento de religião, ou proibindo o livre exercício da mesma”.


Perseguição


O processo explica que os tribunais inferiores, apesar dos requerimentos da Primeira Emenda, “confirmaram a autoridade da [escola] de denegrir a fé da peticionária Caleigh Wood e exigir que ela escrevesse declarações e orações contraditórias com suas próprias crenças religiosas”.



As lições “ensinavam os princípios islâmicos como se fossem verdadeiros fatos, enquanto os princípios cristãos eram tratados como meras crenças”, afirma o documento.



Por exemplo, os alunos foram informados de que “o Alcorão é a palavra de Alá”, mas os cristãos acreditam que os Evangelhos foram revelados aos escritores do Novo Testamento.
A estudante Caleigh se recusou a escrever que o deus muçulmano é o único deus e foi reprovada na avaliação por manter sua fé pessoal. Os tribunais inferiores descontaram as convicções religiosas dela e deram à escola o sinal verde para continuar agindo da mesma maneira.



Mas os casos de treinamento religioso obrigatório, como ordens para contar uma oração muçulmana em contradição com as próprias crenças do estudante, conflitam com o precedente da Suprema Corte, segundo o documento.




Doutrinação em nome de Alá


Nas últimas semanas, uma equipe jurídica que enviou cartas de cessar-fogo a vários distritos escolares do estado de Washington que estavam promovendo o Islã por meio de uma política do Ramadã de dar privilégios especiais aos estudantes muçulmanos. Um distrito ordenou que os funcionários cumprimentassem os estudantes muçulmanos em árabe.



Mas nos últimos meses a resistência à doutrinação islâmica vem crescendo. Um grupo que lutou contra isso, o Fundo de Defesa da Liberdade de Consciência, regularmente se opõe aos ensinamentos islâmicos nas escolas públicas.



Entre os casos que se desenvolveram estão um registrado em maio de 2017, em Groesbeck, no Texas, quando um casal transferiu a filha do sexto ano para uma nova escola depois que descobriram sua história de trabalhos de casa sobre o Islã.



No final de março de 2017 uma escola de ensino médio em Chatham, Nova Jersey, estava usando um vídeo de desenho animado para ensinar os Cinco Pilares do Islã a estudantes do sétimo ano, o que levou dois pais a contratar assessoria jurídica para combater o distrito escolar, que havia ignorado suas preocupações.



Ensinar os cinco pilares do Islã também criou um alvoroço em Summerville, na Carolina do Sul , e em Loganville, na Geórgia, no ano passado.



Em março de 2017 uma escola de Ensino Médio em Frisco, Texas, estabeleceu uma sala de oração islâmica especificamente para os estudantes muçulmanos orarem no campus durante o horário escolar. O mesmo tipo de salas de oração foi estabelecido em escolas secundárias em St. Cloud, Minnesota e outros distritos escolares.



Em 2015, pais de alunos no Tennessee pediram ao governador, ao Poder Legislativo e ao departamento estadual de educação que investigassem o viés pró-islamismo em livros didáticos e outros materiais.



Anos antes, em 2012, o ACT for America realizou uma análise de 38 livros usados da sexta à 12ª série em escolas públicas e descobriu que desde a década de 1990 as discussões sobre o Islã estão ocupando cada vez mais páginas, enquanto o espaço dedicado ao judaísmo e cristianismo diminuiu simultaneamente.



Em 2009, Gilbert T. Sewall, diretor do American Textbook Council, um grupo que revisa livros de história, disse à emissora Fox News que os textos faziam eufemismos sobre o extremismo islâmico e temas chave como a jihad, a lei islâmica e o status das mulheres.



Também em 2009 o livro didático do ensino médio History Alive! The Medieval World and Beyond (“História viva! O mundo medieval e além”, em tradução livre), dizia que uma jihad islâmica é um esforço dos muçulmanos para convencer “outros a assumirem causas dignas, como o financiamento de pesquisas médicas”.



Em 2006, uma escola no estado do Oregon ensinou o Islã fazendo alunos estudarem e aprenderem orações muçulmanas e se vestirem como muçulmanos.



Três anos antes, um proeminente líder muçulmano que acabou sendo condenado por acusações relacionadas ao terror ajudou a escrever as diretrizes da “Expressão Religiosa nas Escolas Públicas” publicadas pelo ex-presidente Bill Clinton.



Em 2001, logo após os ataques de 11 de setembro, alunos da sétima série em Byron, Califórnia, foram submetidos a um curso de três semanas sobre o Islã que os obrigou a aprender 25 termos islâmicos, 20 provérbios, os Cinco Pilares da Fé do Islã, 10 profetas islâmicos e discípulos, além de terem que recitar o Alcorão, usar um manto durante a aula, adotar um nome muçulmano e organizar sua própria “guerra santa” em um jogo de dados.



O caso foi tão escandaloso que pais foram ao tribunal para defender o direito de rejeitar a classe por seus filhos, mas um juiz federal decidiu contra eles e, em 2006, a Suprema Corte dos EUA recusou-se a considerar o recurso, ressaltando a sensação de perseguição religiosa a cristãos e judeus no país.


Fonte: https://noticias.gospelmais.com.br/escola-aluna-crista-declarar-ala-deus-114293.html

Categoria:Mundo Cristão